É incrível como 5 anos fazem diferença na vida de uma pessoa. Aos 15, eu não imaginava que estaria aqui hoje, escrevendo esse texto pra vocês. Aos 15 eu já era uma menina diferente. Já havia deixado minha timidez de lado pra ir viver a vida sem medo de ser feliz. Era retardada na frente de todo mundo e me sentia a vontade pra ser assim. Gostava de dar risada e que dessem risada de mim também. Naquela época, minha maior preocupação era minha vida social. Não eram os estudos, a faculdade que eu ia entrar ou o trabalho dos meus sonhos. Eu nem tinha sonhos naquela época. Aos 15 eu não queria ter as roupas mais legais de todas nem viajar pelo mundo todo. Nem se passava pela minha cabeça trabalhar em uma revista, e muito menos em ir morar sozinha quando completasse 20. Claro que se tudo isso caísse do céu direto nas minhas mãos, eu não iria recusar. Mas se vocês querem saber mesmo, eu com 15 anos só queria ter dinheiro pra comer um salgado e um doce gostoso no intervalo das aulas. Queria ter um grupo de amigos pra sair aos finais de semana e cabular aula pra ir tomar umas cervejas. Queria encontrar um menino parecido comigo pra ser meu amigo. E depois, quem sabe, um ficante. Mas namorar? Não, obrigada.

Eu sempre fui muito livre, descompromissada, relaxada. Deixava as coisas na mão do destino. Minha vida rolando e eu só dando risada. E foi bom por muito tempo! Acho que todo mundo precisa disso, principalmente os adolescentes – afinal, é nessa época que a gente dá uma última respirada longa e profunda antes de entrar na ~guerra dos adultos~ de cabeça. Não ter que se preocupar com nada é uma delícia, mas como tudo na vida, traz consequências. Aos 15 anos eu entrei em um colégio diferente. Saí da escola de freiras que eu frequentei a vida toda e fui pra outra super liberal. Me perdi no meio da emoção por estar em um lugar tão divertido, tão cheio de gente e tão agitado. Cabulei mais de metade das aulas durante o ano e acabei repetindo o primeiro colegial. E foi aí que tudo mudou. Liguei a chave central do meu cérebro e decidi que não dava mais pra ficar no marasmo. Eu tinha praticamente perdido um ano da minha vida! Esse definitivamente foi o primeiro choque de vida real que eu levei.

Desde então, tirei meu destino das mãos da vida e coloquei nas minhas. Agora quando eu quero, eu faço acontecer. Como a Blair Waldorf já disse: “Destino é pra perdedores. É só uma desculpa pra deixar as coisas acontecerem ao invés de fazer com que elas aconteçam.”. E é essa a mensagem que quero trazer hoje pra vocês. As coisas que a gente quer não caem do céu. Não dá pra deixar tudo na mão da sorte! Parece uma coisa óbvia a se dizer, mas se fosse tão óbvia assim, não teria um monte de gente reclamona por aí.

Eu ouço muita gente me chamando de patricinha e filha de papai ~risos~. Se hoje eu tenho dinheiro pra comprar uma roupa que eu goste, é porque eu trabalhei pra isso! Não tem segredo, gente. E se hoje meus pais tem condições de me dar uma vida incrível (que eu só tenho a agradecer), é porque eles batalharam MUITO pra dar certo. Eu nem sempre tive todas as ferramentas que tenho hoje. Tudo veio com tempo, esforço e a ajuda da minha família maravilhosa. Nem todo mundo tem as oportunidades que eu tive, mas se eu tive alguma oportunidade, foi porque eu cacei ela. Eu nunca teria ido pra entrevista da Temporada de Moda se eu não tivesse me inscrito. E nunca teria passado se eu não tivesse dedicado tempo da minha vida estudando pra isso, antes mesmo da faculdade. Nunca teria chego até o final se eu não tivesse me esforçado pra isso. E olha, eu não ganhei o programa, mas consegui enxergar minha oportunidade mesmo assim. Se não fosse por tudo isso, eu não teria hoje uma coluna semanal no site da Capricho, um blog que deu certo e é minha principal fonte de renda e não estaria hoje realizando os maiores sonhos da minha vida.

Por isso, eu posso voltar a ser óbvia e dizer: se quiser dinheiro, trabalhe; se quiser ter sucesso, se esforce; se quiser emagrecer, se alimente bem e vá pra academia; se quiser que as pessoas sejam mais legais com você, seja mais legal com elas também. Enfim, é tudo uma questão de dar e receber. O Google tá aí pra te ensinar tudo que você precisa aprender pra chegar aonde quer, hahaha! Ao invés de ficar só no Facebook e no Twitter, vá pesquisar alguma coisa que você goste e tente aprender uma coisa nova! O lance é escolher caminhos, traçar metas, enxergar oportunidades aonde mais ninguém enxerga, acreditar MUITO em você e nunca deixar que a inveja alheia te contamine e te coloque pra baixo. Se não der certo, comece tudo de novo! A vida é uma só e a única pessoa que tem poder de fazer ela se transformar, é você mesmo.